O Acordo de Livre Comércio Israel e Mercosul

 

Desde 2010 o Acordo de Livre Comércio entre Mercosul e Israel está em vigor no Brasil e tem fortalecido os laços econômicos entre Brasil e Israel possibilitando uma diversificação e expansão do comércio entre os ´países. No entanto, ainda há muito há ser explorado visto que os dois países não competem entre si, mas complementam-se.

 

Oportunidades e Benefícios do Acordo de Livre Comércio

 

Uma vez que as economias brasileira e israelense complementam-se e não competem entre si, ainda há muito potencial a ser explorado. A economia israelense é totalmente baseada no comércio internacional – importa e exporta-se muito e, com este cenário, o Brasil beneficiar-se de um mercado qualificado.

 

Para o exportador brasileiro, a boa notícia é que Israel importa muito e de diversos países. Muitos itens que são amplamente exportados pelo Brasil, como papel e celulose, móveis, plásticos e calçados, dentre outros, são importados por Israel. No entanto, pouco destes itens brasileiros têm como destino o mercado israelense.

Assim que o Acordo de Livre Comércio Mercosul-Israel entrou em vigor, 90% dos produtos que o Mercosul exporta para Israel tiveram eliminação imediata de imposto de importação, garantindo, assim, uma maior competitividade no mercado israelense para os produtos brasileiros e de demais países do Mercosul. Os demais produtos passam por reduções graduais até a total eliminação do imposto de importação.

Para o exportador israelense, a boa notícia é que muito da demanda Brasileira pode ser suprida pela indústria israelense, da qual destacamos os setores de TIC, médico-farmacêutico, agrotecnologia, tecnologias de água e saneamento e segurança. Dos produtos que Israel exporta para o Mercosul, 50% tiveram eliminação imediata das imposto de importação, e os demais, passam por reduções graduais.

Outra vantagem que o Acordo de Livre Comércio Mercosul – Israel apresenta é que a tarifa base para as reduções graduais dos impostos de importação é a da TEC de 2007. Isto significa que, apesar de poderem ocorrer modificações no cenário político-econômico dos países, os impostos foram previamente fixados, não apresentando riscos para o planejamento do exportador. Além disso, em 2019, quase 100% dos produtos já gozarão de alíquota zero para imposto de importação.

O Brasil é um país estratégico para Israel e, tendo isto em vista, encorajamos tanto o exportador Brasileiro quanto o Israelense a estreitar, ainda mais, esta relação comercial e a explorar mais as vantagens do Acordo de Livre Comércio Mercosul-Israel que elimina as barreiras ao comércio de bens, facilita sua circulação aumentando e diversificando substancialmente as oportunidades de comércio entre os países. Além disso, gera crescimento econômico, aumenta cooperações tecnológicas e em P&D, e estreita os laços culturais, políticos e sociais.

 

Comércio Israel-Brasil

 

A evolução do comércio entre Brasil e Israel mostra que as exportações israelenses para o Brasil tiveram sua maior alta em 2008, quando houve um considerável aumento nos preços dos fertilizantes. Com a crise mundial houve uma grande queda no comércio, mas esta logo foi superada. Em 2012 e 2013 tivemos um novo pico de exportações israelenses ao Brasil, fechando em US$ 1,113 bilhões, do qual 62% refere-se à exportação de produtos químicos (fertilizantes, em sua grande maioria), seguidos de equipamentos de alta tecnologia, metais, plásticos e outros.

Apesar de ainda termos uma porcentagem expressiva de exportação israelense de produtos químicos para o Brasil, se compararmos este quadro com 2008 – quando este percentual atingiu 78% – podemos notar uma gradual diversificação na pauta de produtos, como o aumento na exportação de materiais de transporte (influenciado pela exportação aeronaves e aparelhos espaciais), instrumentos médicos e plásticos.

Comparando janeiro a setembro de 2013 ao mesmo período em 2014, vemos que as importações brasileiras de produtos israelenses recuaram 15,5%. Estra retração refere-se, principalmente, à troca de fornecedores por parte de Israel, desaceleração do consumo interno brasileiro e recuo da produção industrial.

 

Ainda é necessário um esforço maior para que a balança comercial entre Brasil e Israel se equilibre. Apesar de as exportações brasileiras para Israel em 2013 terem aumentado em 20% em relação a 2012, ao compararmos os meses de janeiro a setembro de 2013 com o mesmo período de 2014, vemos que as exportações brasileiras a Israel recuaram quase 13%, devido à retração da demanda israelense por açúcar e carne bovina.

Alimentos representaram 75% das exportações Brasileiras para Israel em 2013 – quadro não muito diferente do que tínhamos em 2008, quando a exportação brasileira de alimentos era de 69%. Estes números evidenciam que ainda há pouca diversificação de setores da economia nas exportações brasileiras para Israel, salvo um aumento tímido na exportação de calçados, metais e papel e celulose. No entanto, e é justamente neste ponto que o Acordo de Livre Comércio pode beneficiar, e em muito, esta relação, aumentando, também o interesse do exportador Brasileiro para o mercado israelense.

 

Para ler o Acordo de Livre Comércio completo e baixar os arquivos relevante, visite o site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

 

Para mais informações sobre o comércio entre Brasil e Israel, e sobre o Acordo de Livre Comércio Mercosul-Israel, entre em contato conosco.

 

Fonte:

MDIC – AliceWeb

Jornal Valor Econômico

 

אי-מייל                                        

 

contact@israel-brazil.org

 

       

    

כתובת

רח' המרד 29

קומה 4

תל אביב

ת.ד 20425

 

טלפון                          

 

+972 3 629-6048